Carnaval

8 mar

Há um mês eu me deparava com algo que nunca havia vivenciado: o Carnaval.

Ah, sim. Estar no Carnaval é diferente. Bem diferente.

Minhas recordações remotas dos últimos carnavais era eu fantasiadinha num clube, de mãozinha com a mamãe; logo, eu de moletom, na varanda, lendo ou olhando estrelas; e eu em um camping  ou assistindo o desfile de bundas pela TV. Nunca fazendo parte da festa. Até que minha irmã bateu o pé para mim: “esse ano você vai!”

No inicio, confesso, eu não queria ir. Com o passar dos fatos, eu seguia não querendo ir e cada vez mais não querendo.  Até que eu me deparei com a mochila pronta (a minha e a do Simba, claro), dentro do carro, com vários sorrisos e músicas de carnaval. Lá estava eu, indo pro meu carnaval. Meu primeiro Carnaval, “eu e eu” (sim, mesmo com uma trupe de pessoas fabulosas, incluindo minha irmã; era “eu e eu” pela primeira vez em muito tempo).

Demorei pra entender que toda aquela festa é, no fundo, uma caricatura do que vivemos todos os dias. Muito mais divertido e, talvez, sem noção; por isso caricatura.

Foi uma experiência una. Sim, foi ridícula, divertida, bizarra, me proporcionou momentos de arrependimento, diversão e até aprendizado. Mas foi demais.

O que eu trago do Carnaval pra minha vida?

Bem, a maioria das pessoas dizem “o que acontece lá, fica lá”; eu, honestamente, não consigo pensar assim. O que acontece comigo, bom ou ruim, vai comigo aonde eu for. E com o Carnaval não ia ser diferente.

Como diz minha amiga Andressa “parceria é parceria, fdp é fdp”. No Carnaval você entende melhor disso. Amigos cuidam e se preocupam com você, onde quer que estejam, amigos sempre estão conosco.

SEMPRE alguém vai querer ou mesmo sem querer vai te magoar. Até no Carnaval. Cabe a você escolher se quer sofrer ou não. (E se escolher sofrer, você aprende que Carnaval não é hora, nem lugar. ) Como em todos os outros momentos da vida: A escolha é sua.

Tudo é lindo e maravilhoso, nós que escolhemos demais e perdemos oportunidades.

Nunca aceite bebida de estranhos.

Não use  violência.

Durma o necessário e sempre que puder.

Seja leve, ria, conte piadas, faça bailinhos e dance muito (nem que seja sozinho!)

Beba! Sim, beba. Perca um pouco o chão por alguns momentos e ria do nada. Permita-se ser e viver o que você não está acostumado.

Teste seus limites e defina-os. Assim você não passará vergonha consigo mesmo ou pelo menos será capaz de controlar-se diante das diversas situações.

Telefone celular é uma arma! Desconecte-se um pouco dele e viva mais. Os maiores momentos de silêncio era quando alguém estava com celular na mão. E outro motivo para ser uma arma é por você correr o risco de ligar para alguém que você não quer ouvir a voz ou vice-versa.

Amizades de verdade podem, sim,  serem feitas em poucos minutos e durar; e amizades de admiração e idolatria podem ir água abaixo em um simples estalar de dedos.

Se você cair seus amigos estarão lá para te levantar. Figurada e literalmente falando.

Não tome decisões com raiva. Mas, sim, ouse tomar decisões por impulso, as vezes pode ser muito bom!

Se errar, peça desculpas. Mas nunca, não se humilhe. Amigos entendem quando você errou e sente muito; os demais apenas gostam de pisar e ver você se humilhando.

Seja simpática com todos ao redor e carregue sempre um sorriso no rosto (e uma gelada na mão).

Ah, e por incrível que pareça: o Carnaval é uma ótima época para fortalecer laços entre velhas amizades e familiares. Nas dificuldades e nos bons momentos todos estão juntos.

Parece tão bobo, mas sim, um feriado, simples quatro dias foram capazes de me levar ao meu extremo. Da humilhação ao topo, da incerteza a compreensão, do desconhecido ao diferente, da insegurança a autovalorização.. Sim, parece tão extremo e radical. Mas na fase que eu me encontrava, nada melhor que um Carnaval pra “assentar” melhor os sentimentos, as ideias e ao mesmo tempo sacudir, fazer vibrar, pular, quem eu era/sou e estava perdida, escondida.

Francamente, nunca fui de Carnaval, mas mal posso esperar pelo próximo ano.

E digo mais, quero viver 2013 em eterno Carnaval. Com sorriso no rosto, alegria, vibração e gente boa na minha volta!

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Anúncios

Uma resposta to “Carnaval”

  1. Mariana faes março 8, 2013 às 7:11 am #

    Viu, só?! Quando eu disse ‘tu vai comigo, que vai ser bom’, tu não acreditou e realmente foi bom! 🙂 Fico feliz em te ter ‘assim’! Te amo e espero que a nossa vida seja um eterno carnaval!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: