sempre ele – e a primavera

8 out

Não houve um dia que não se pensou nele, um dia em que as mensagens ou os emails eram relidos antes de dormir sem derramar uma dose expressiva de lágrimas.
Não havia dia sem ele. Nunca houve. Mesmo não próximo fisicamente, todos os dias tinha ele lá. Fosse na foto escondida, no bilhetinho ou nos presentes que ficaram.
Dias com ele, outrora eram pessimos. Eram ruins, desgastantes, repletos de tensão e pressão. Os dias nostálgicos, momentos de brilho no olhar e boas horas de riso ou de silêncio apaziguador..só ela sabia. Só ela.
Era um sentimento masoquista. Alias, a saudade é masoquista, destrutiva e, ao mesmo tempo,lindamente poética. Assim são os amores que se vão… na verdade, existem verdades e amores que só ela sabe. Jamais haverá um dia sem ele. Afinal, não há um dia sem amor na vida dela.
A maior prova que ela o amava era seguindo, era deixando o livre por reconhecer que só ela não era o bastante para quem merecia o mundo.
Poucos saberão, poucos entenderão. Ele, inclusive, jamais imaginará.

______

Os dias eram cinzas e vazios. A primavera trazia as cores que ela não queria enxergar, mas trazia também uma nova energia, como se dissesse “renova, desiste, recomeça, tenta”. As cores, a primavera e seus significados… pensava ela se já era hora de uma nova primavera surgir ou se manteria por mais algum tempo aquelas flores de outra estação dentro de si.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: