Da dor

9 out

A dor sempre foi o maior presente para um poeta.
A dor é a dádiva, é a inspiração.
É, também, pura mágoa, amor frustrado, decepção e nenhum retorno, mas segue sendo algo espetacular.
É como uma borboleta: é dor virando poesia, é reconstrução.
É forma ganhando nova intenção, nova cor, novo sentido. É o fluir das estações, do cinza a primavera.
A dor é uma oportunidade para quem sabe senti-la; nada mais é do que aprendizado, lição e, por que não, poesia.
Independente da causa, as consequencias são de nossa escolha.
Desfrutar da dor, conviver com ela até que ela esteja crescida o bastante, pronta para partir, mas claro, deixando sempre suas marcas….

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: