Tag Archives: Cansado

Cansados

12 nov

E percebo que estão todos cansados. Entediados. Resmungando.

Vejo a rebeldia de uma multidão de “ajustados”, cansados de estarem cansados.

Uma legião que se adapta para não corresponder ao que veio, mas para ser o que os demais pensam.

Reclamam, reclamam, falam sem parar; escrevem sem parar; mas não respiram.

Adaptam-se a mediocridade alheia, abafam o som de suas vozes, vestem-se e sentem-se como todos os outros.

Abraçam o desejo alheio de forma que torna-se seu desejo.

Esquecem de viver. De fazer o que vieram fazer. De respirar, pensar, amar, sentir, sofrer.. como uma única pessoa, exclusiva, inédita, especial.

Reclamam, usam o termo da moda, excluem os sentimentos, banalizam as relações, vulgarizam as sensações.

Fecham-se portas e ouvidos. A legião dos cansados se diz sem oportunidades, sem uma chance. Mal sabe eles o que é a oportunidade que procuram! Estão cansados para descobrir…

Querem uma nova chance?Acordem no novo dia, respirem fundo conscientemente e desfrutem da vida que receberam!

Mas, ora bolas! Crianças de 10 a 100 anos cansadas, desapegadas da vida!

Ninguém precisa ter o super gênio da criatividade, nem ter todas as respostas. Ou acertar sempre e jamais se decepcionar.

Não precisa saber sobre o que vai ser o que vai acontecer agora ou depois.   Não há a necessidade de saber o que terá pro almoço antes de  prepara-lo!

Não precisa escrever só em prosa, se seu coração manda poesia.  Não precisa de nada disso!

Os cansados esperam algo que não sabem. Mas estão tão cansados de esperarem!

Ah! A legião dos cansados! Volta e meia, eles me abraçam. As vezes eu resisto; outras vezes eles me puxam tão fortemente, que reconheço não conseguir força o suficiente para soltar. E para me recuperar depois de um abraço deles? Noossa.. como é demorado, como é difícil. Afinal, eles me deixaram tão cansada!

Felizmente, a situação de conformidade dos cansados não me envolve tão severamente. E deixo a dica aqui, cansados: precisam de ajuda? procurem-na; querem um sorriso? vão para a frente do espelho e “xiiiiiis”, sorrisão no rosto na frente de vocês!; não sabem o que estão fazendo? quem sou eu para dizer o que deve ou não ser feito, é certo ou errado? Vivam, meus queridos! Só assim vocês saberão!

Afirmo, de peito aberto, eu não sei o que estou fazendo, não sei o que procuro, não me “achei” ainda! No entanto, mesmo com meus erros e pesares, em momento algum serei capaz de baixar a cabeça e desistir de mim. Não importa em que posição eu estou no meu pódio.  Me importa, realmente, é que alguma coisa irei aprender, algum conselho me servirá, algum olhar pode chamar minha atenção, um minuto pode fazer com que eu mude minha atitude, pode fazer mudar meu dia. Me importa o fato de estar aqui, viva, forte, e dentro do possível, feliz, de bem com a vida;  o fato de reconhecer o quão importante é esse ar que respiro, quão importante é estar aqui, me desafiando a viver mais um dia, sem saber como ele será.

Legião dos cansados, respirem fundo e amem vocês próprios. Vocês não são fracos ou fortes demais. E não respondam “só estamos cansados”, pois terei que dizer a vocês que “vocês só estão vivos!”, e isso não é muito maior?

 

 

Anúncios

Diga que você não quer isso.

21 set

Ok, estamos cansados.

É, cansados demais.

Cansados demais para ouvirmos o que alguém tem para nos dizer e cansados demais para falarmos, despejarmos, tudo o que pensávamos em falar.

Cansados demais para sorrir, cansados demais para abraçar, cansados demais para seguir em frente.

Cansados demais para querer, ao menos, saber o lado certo da história e engolir o perdão, não como um veneno e sim, como um remédio que há de curar.

Você pode me dizer tudo o que bem entende agora, mas você está cansado demais para me contar do seu dia, da sua viagem, do seu desempenho, da sua vida. E eu, cansada demais de tentar ouvir o que não tem mais compreensão.

Mas, como cantaria “One Night Only”: “SAY YOU DON’T WANT IT!” (“Diga que você não quer isso!”).

Então, por favor, me diga que não estarás mais tão cansado. Pelo menos para sentir o brilho do sol, para entender o valor de um sorriso e reconhecer uma lágrima. Diga que você não quer isso e tudo bem, entenderei. No entanto, enquanto as palavras não forem claras para minha mente, enquanto enxergar a realidade como uma dor tão imensurável, enquanto a decisão não for tomada, eu não entenderei e eu não entendo. Diga que você não quer mudar o que você está vivendo agora, que você quer recomeçar, que você quer viver de novo… Mas diga, por favor e acima de tudo, que não quer viver de uma mentira, uma fantasia…

Eu, pelo menos, vivo naquela coisa de “viva hoje como se fosse o último dia” com o “e se não for a hora agora?” me puxando para trás… Na busca do equilíbrio da corda bamba. – Quando você não pisa tão firme, quando a sua base se abala… você se abala também e “seu terreno” vira um lugar desconhecido. – Ao mesmo tempo que queria o silêncio, queria a bagunça e os gritos. Quase como meditar, enquanto escuta um hard rock. Queria essa corda bamba firme, para que eu pudesse andar confiante. Mas a maré não muda, não avança e nem revolta. Fica complicado seguir em frente… Por isso, estamos todos cansados. 

Mas, afinal: aonde eu quero chegar? Na realidade, acredito que nem eu tenho certeza. Queria apenas refletir.

 

Enquanto escrevo essa tentativa de reflexão o refrão: “The fake scenes, the plastic-made dreams…  Say you don’t want it!” funciona como um eco em minha mente. Uma música, crítica e reflexão a qual me proporciona refletir e criticar internamente o que bem entendo, tentando buscar a interrogação dentro de mim, o lado que almeja a mudança, a vida que insiste em respirar e que esperneia “eu não quero isso”, buscando uma saída para o temporal…

Não entendo e não vejo até que ponto as situações sugerem coerência ao que escrevo e ao que penso, possivelmente está tudo desalinhado. Mas em algum momento o Universo há de alinhar tudo ao nosso redor, a começar pelos meus pensamentos…

 A musa inspiradora das minhas interrogações:

 

 Ah, sim! E parabéns a todos gaúchos: “Sirvam nossas façanhas de modelo à toda Terra”.

Uma boa semana!